Sexta, 18 de outubro de 2019
91 99100-9888
Brasil

08/10/2019 ás 08h21

29

Jonivaldo Castro

Mãe do Rio / PA

Curativo com folha de goiabeira e adubo para reter água no solo: projetos de escolas do Ceará vencem prêmio nacional
Estudantes e professores elaboraram propostas inéditas de baixo custo para melhorar qualidade de vida da população e reduzir impactos ambientais.
Curativo com folha de goiabeira e adubo para reter água no solo: projetos de escolas do Ceará vencem prêmio nacional
Curativo feito com folha de goiabeira acelara cicatrização de queimaduras — Foto: Kid Junior/SVM

Por Nícolas Paulino, G1 CE


08/10/2019 05h01  Atualizado há 3 horas


 


Dois projetos de escolas estaduais em Cascavel, na Região Metropolitana de Fortaleza, venceram a 6ª edição do prêmio “Respostas para o Amanhã”, que agracia iniciativas de experimentação científica ou tecnológica desenvolvidas por estudantes do Ensino Médio.


O grande vencedor foi um biofilme curativo criado a partir da farinha de folhas de goiabeira, desenvolvido por uma turma de 3º ano da Escola de Ensino Médio em Tempo Integral (EEMTI) Marconi Coelho Reis. Os testes indicaram cicatrização mais rápida em queimaduras de primeiro grau, “quando em contato com a pele por uma semana”, devido ao potencial antimicrobiano da planta.


Por também ser biodegradável, a decomposição do material acontece sem impactos negativos ao meio ambiente. “Foi surpresa porque foi a primeira vez que a gente concorreu, e nossa escola acabou de fazer três anos”, comemora a diretora, Iara Valente. Cinco estudantes da equipe e a professora orientadora representarão o projeto na etapa América Latina, em São Paulo.


“Na escola de tempo integral, um dos princípios é a pesquisa científica. Isso veio ao encontro da nossa proposta de trabalho, que é desenvolver a iniciação científica no Ensino Médio. Você leva o aluno a produzir projetos de resolução e de grande relevância social”, destaca Valente.


Plantio facilitado


Projeto retém água no solo e colabora com a fertilização em ambientes secos — Foto: Kid Junior/SVM


Outra escola, a Ronaldo Caminha Barbosa, teve como destaque o projeto “Agri+”, de combate à escassez de água e de melhoria agrícola em solos semiáridos e salinos. Segundo a orientadora do projeto, Joseline Maria, a ideia surgiu por duas constatações: que os cultivos em Cascavel não desenvolvem com facilidade e que muitos resíduos agroindustriais jogados em feiras ou engenhos não eram utilizados.


“Com o descarte de cascas de manga, de abacate e bagaço de cana de açúcar, nós elaboramos nosso material. Fizemos vários testes até chegar ao nosso polímero biodegradável, que é uma espécie de adubo. Depois que validamos, passamos para a comunidade”, explica a estudante Fabiana Ramos, de 18 anos, integrante da equipe de 15 pessoas do Agri+ e que que planeja cursar Enfermagem ou Ciências Biológicas.

A mistura do projeto consegue reter água no solo e funcionou num cultivo de cebolinha. “A minha vontade vem a partir dos alunos. Nossa escola tem uma delegação científica que se reúne com um líder, uma vez na semana. A gente vai orientando e eles mesmos fazem. Eles têm essa visão ampla, essa compreensão”, orgulha-se a professora Joseline.

Incentivo


Alunos celebram vitória em concurso que elege ideias inovadoras para preservação do meio ambiente — Foto: Kid Junior/SVM

Este foi o terceiro ano consecutivo em que a instituição ficou entre as Vencedoras Nacionais do Prêmio. Em 2017, o projeto “SOS Casa” foi campeão nacional e, em 2018, a escola atingiu o mesmo posto com o projeto “Reflexologia Experimental”.

A diretora da unidade, Amélia Sampaio, atribui os resultados tanto ao trabalho em equipe quanto ao incentivo do Núcleo de Trabalho, Pesquisa e Práticas Sociais (NTPPS), no qual os estudantes desenvolvem pesquisas desde o 1º ano. “Hoje, temos essa tecnologia e ela coloca para os outros Estados o que o Ceará faz diferente na rede pública estadual”, pondera.

A Secretaria Estadual da Educação (Seduc) informa que o Núcleo propõe uma reorganização curricular do Ensino Médio através do trabalho transdisciplinar. De 2012 a 2018, quase 1.300 profissionais, entre professores e coordenadores, foram formados na prática. No ano passado, 190 escolas estaduais desenvolviam a proposta - 111 de tempo integral e 79 de tempo parcial.

 


 


 


 


 


 

FONTE: https://g1.globo.com/ce/ceara/noticia

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários

0 comentários

Veja também
© Copyright 2019 :: Todos os direitos reservados
Site desenvolvido pela Lenium